Quem sou eu

Minha foto
Cariacica, Espírito Santo, Brazil
Um rapaz que acredita que nunca se é velho demais para ser um Treinador Pokémon.

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.

Follow by Email

Pesquisar aqui

Pokémon: Black & White #8

A jornada de Black gira em torno do sonho de vencer a Liga Pokémon (que no mangá é formada pela competição + o desafio à Elite dos Quatro e ao Campeão). Por oito volumes, acompanhamos sua jornada para chegar até aqui. Uma jornada marcada por vitórias, derrotas, desafios e novas amizades, como toda tradicional empreitada seguida por um Treinador Pokémon. Neste oitavo volume de Pokémon: Black & White, Black finalmente chegou ao momento pelo qual tanto esperou. Porém, não há celebração nem festejo nem alegrias: a jornada pelo sonho acabou se tranformando numa epopeia sobre a perda da inocência.
A iniciativa surge como mais uma tentativa de conseguir, pelo menos, manter o elenco de protagonistas na dublagem no MG Estúdio do Rio de Janeiro. Além de Fábio Lucindo, outros dubladores se manifestaram na última semana através do Facebook, lamentando a perda de seus queridos personagens, mostrando que os fãs não são os únicos insatisfeitos com a decisão recente da The Pokémon Company International e suas filiais na América do Sul.

Sobre a sensação de não poder mais dublar Jessie, uma personagem que a acompanhava há tantos anos, Isabel de Sá disse:
Pokémon XY Especial: A Mega Evolução Mais Forte ~4º Ato~


Há mais de um ano, a série de especiais "A Mega Evolução Mais Forte" começou de forma interessante, mas igualmente frustrante: seu personagem herói clichê vinha acompanhado de um alívio cômico clichê emendando uma batalha sem propósito explosiva na outra a troco de nada ou muito pouco. Ainda assim, a possível ligação com Lysandre entre outras questões misteriosas serviam para tornar a proposta um pouco mais intrigante. Ao longo dos demais especiais, vimos como a ideia foi evoluindo de forma gradual e corrigindo as falhas do 1º Ato. Os episódios passaram a ser menos um luta atrás da outra, apesar de ainda serem bastante explosivas e épicas. Mairin deixou de ser um mero alívio cômico e, assim como Alain, passou a ser melhor desenvolvida. A chegada de Steven e Lysandre só fez bem, com ambos em seu próprio nível de charme e intriga.
Hoje foi um dia triste para Fábio Lucindo. O ator e diretor postou hoje uma foto em seu facebook de sua última sessão de dublagem em Pokémon como Ash (brincando com a ironia de uma de suas falas ser, ironicamente, "Sem substituições, hein?"), além da seguinte mensagem em seu twitter:
Episódio 897/ XY093 - Batalha Dupla no Ginásio de Anistar! A Visão do Futuro de Olympia!!

O esquema de batalha dupla foi introduzido no anime, chamado inicialmente de tag battle (um nome que o anime eventualmente usaria para batalhas entre duplas de Treinadores a partir de Advanced Generation), no episódio "Pokémon Encrenca em Dobro", por Hideki Sonoda, como um módulo de batalhas especial do Ginásio da Ilha Kumquat, do Arquipélago Laranja. Seu propósito era muito simples: testar não só trabalho em equipe entre Treinador e Pokémon, mas também aquele entre dois monstrinhos. Posteriormente, o conceito foi incorporado aos jogos (como double battle) e também ao anime, como um estilo de batalha oficial, adotado por alguns Líderes de Ginásio, competições da Liga, além de Concursos Pokémon e Grandes Festivais.
A Alarmante Estagnação dos Jogos Pokémon!?

Rentável nostalgia
A Nintendo sempre foi uma empresa apegada às suas propriedades intelectuais. Nenhum videogame seu é completo sem um Mario, Pokémon ou Zelda da vida e isso não é à toa. Além de serem extremamente populares e reconhecidos ao redor do mundo, as franquias da Nintendo são também as mais vendidas para seus consoles e portáteis desde o lançamento do primeiro aparelho da empresa. O problema é que os últimos anos não têm sido gentis com a Big N. Depois de serem levados a alturas antes nunca alçadas com o Wii e o Nintendo DS e seus impressionantes mais de 101 milhões e 154 milhões unidades  de hardware vendidas, respectivamente, a empresa tem amargado uma triste realidade com o Wii U e o Nintendo 3DS. Se as altíssimas vendas dos consoles anteriores permitiam que a empresa trilhasse um caminho próprio, com as demais desenvolvedoras de jogos interessadas em lançar games para os aparelhos que possuíam uma base de consumidor tão grande, os mais recentes têm encontrado dificuldade para encontrar suporte de third-parties, forçando a casa do Mario a quase que trabalhar sozinha. E 2015 foi um ano particularmente difícil.